Quem vai pagar a conta?

Apesar de já termos abordado este assunto aqui no blog há poucas semanas, com o artigo “O que virá”, escrito pelo diretor da Ecom Gás, Percival Amaral, é inevitável que, às vésperas das próximas eleições, surjam questionamentos sobre o que podemos esperar dos novos governantes para o futuro do setor elétrico.

Nesta semana, a ABRACEEL – Associação dos Comercializadores de Energia Elétrica promoveu um evento com alguns dos presidenciáveis. Dos oito candidatos convidados, somente um compareceu pessoalmente, quatro enviaram representantes, um declinou e dois deles nem se manifestaram. Aqueles que participaram, defenderam a abertura do mercado e a desoneração do setor, porém, sem especificar medidas objetivas de como isso deve acontecer ou de como isso estaria detalhado em seus planos de governo.

Fato é que as demandas do setor elétrico são muitas. Desde a resolução de problemas como o risco hidrológico, a inadimplência na CCEE, a judicialização de problemas, os subsídios cruzados até a forma como é calculado o preço da energia.

Infelizmente, quem acaba por pagar essa conta é o consumidor. Portanto, a liberdade de escolha ao migrar para o mercado livre de energia representa, para esse consumidor, a possiblidade de gerenciar melhor seus custos com energia, com maior segurança, previsibilidade, planejamento e podendo optar por energias renováveis.

Nos últimos 15 anos no Brasil, o mercado livre apresentou uma redução média de 23% no preço da energia em comparação com as tarifas das distribuidoras, resultando em uma economia de R$ 83 bilhões de reais na conta dos consumidores que migraram para esse mercado.

Tudo isso só será possível com o empenho dos agentes do setor e o apoio dos consumidores. Temos que trabalhar junto aos nossos representantes para que o mercado livre seja uma opção concreta para todos os consumidores.

A ENERGIA DO FUTURO É LIVRE!

Entre em contato com nossos especialistas para saber como você pode ser um consumidor livre.