O que virá!

As eleições estão aí! O que acontecerá com o Brasil, a partir do ano de 2019, não conseguimos enxergar.

Se é de Esquerda, Centro, Direita, no fundo, não interessa.

O que o País busca é seriedade, honestidade e que, a luta pelo poder político e financeiro, seja substituída pela luta da melhoria da qualidade de vida e do respeito público.

Precisamos, por meio do voto, acabar com a visão distorcida de que o Estado é competente para decidir o que é melhor para o povo. O Estado é apenas um prestador de serviços a quem a sociedade delega autoridade para coordenar e regular a melhoria da Infraestrutura, Educação, Saúde, entre outras necessidades básicas.

Focando nosso texto na área de Energia, o retrocesso regulatório da energia elétrica nos últimos 10 anos é o pior exemplo de manipulação em prol de outros interesses, que não o bem estar da sociedade.

No caso do Petróleo, as poucas iniciativas para descentralizar essa indústria ainda esbarram no desconhecimento público, alimentado por convicções estatizantes de que o “Petróleo é Nosso”.

No gás natural, no atual Ministério de Minas e Energia de transição, gestores capacitados ainda tentaram com o “Gás para Crescer”, propor o que deveria ser feito para a abertura do mercado, mas espremidos pelo tempo e por interesses diversos, tiveram que ceder para propor, mais uma vez, o que era possível fazer e não necessário.

Um projeto de lei liberalizando parte da indústria de gás natural está em discussão no Congresso Nacional, com poucas chances de ser aprovado ainda este ano. Esperamos que o novo governo, o qual será escolhido ainda esse ano, dê continuidade ao projeto iniciado com o Gás para Crescer, tendo sempre em foco o desenvolvimento da indústria de gás natural.