Espera… O preço vai cair/subir.

“Quando a esmola é demais o santo desconfia”. Cuidado com quem tem muita certeza. Em um mercado tão dependente das intempéries de São Pedro, afirmar, taxativamente, que o preço vai cair – ou que subir – significa o seguinte:

  1. Fatos concretos: o mercado se antecipa às tendências, ou seja, qualquer fator que tenha influência direta na formação do preço, é rapidamente assimilado pelos agentes. Portanto, ao afirmar que o preço vai subir/cair, significa que essa condição já foi precificada.
  2. Especulação: ao tratar de uma condição futura, há sempre fatores relacionados à incerteza e, com isso, é fundamental analisar os riscos envolvidos, para que se tenha uma ideia da sua dimensão e impactos.

No papel de uma das principais comercializadoras e gestoras de energia do País, a Ecom tem a função de entregar inteligência de mercado aos nossos clientes de modo que estes possam, efetivamente, entender não só as recomendações em si, mas também os riscos que elas apresentam. Em um ambiente no qual a energia elétrica é vista como uma commodity, as premissas utilizadas para projeção de preços têm um risco associado significativo. Portanto, não faz sentido realizar orientações determinísticas, mas sim, aquelas em que se demonstram as probabilidades de cada cenário.

Essa entrega de inteligência gera, não apenas eficiência na comunicação entre a gestora de energia e o cliente, como também proporciona um forte alinhamento com os tomadores de decisão de cada empresa, o que também favorece as equipes internas, responsáveis por energia.

Desse ponto de partida – de entendimento dos riscos – o que fazer para mitigar exposições? A principal ferramenta é a diversificação das contratações/negociações, seja por meio de determinado número de fornecedores/compradores ou da realização das operações em momentos diversos. O nosso dever, como gestores de energia, é avaliar, de forma continua, o portfólio de contratos de energia dos nossos clientes e, diante da conjuntura que o mercado apresenta, nossa responsabilidade é mitigar os riscos de exposição, principalmente, para os consumidores – tendo em mente que a energia elétrica, para essas empresas, é um insumo, ou seja, é um meio e não um fim.

Já que ficamos à mercê da climatologia, é extremamente relevante se proteger. Como diz Warren Buffett: “O importante não é prever o tempo, mas construir a Arca de Noé”.