Enfrentando as dificuldades em conectar o PMGD no Chile

No Chile, um Pequeno Meio de Geração Distribuída (doravante PMGD) é, por definição, “um meio de gerar eletricidade, cuja energia excedente é menor ou igual a 9 MW, e que está conectada a uma concessionária de distribuição ou a instalações de uma empresa que possuem linhas de distribuição de eletricidade, que usam bens nacionais para uso público “.

Deve-se notar que, na definição dada, “médio” significa um conjunto de unidades de geração pertencentes ao mesmo proprietário, que estão conectadas ao sistema elétrico através do mesmo ponto de conexão. Portanto, esses meios podem ser equipamentos de geração de energia elétrica de qualquer tecnologia, sem limitações. Entretanto, no Chile, essas instalações são maioritariamente compostas por unidades solares, devido à sua facilidade e rapidez de implementação e à tendência descendente da tecnologia de painéis solares e seus adicionais (soft cost). Com efeito temos uma diminuição do custo da célula fotovoltaica de 38% em 10 anos e de uma melhoria na participação do custo brando no projeto total de 18% para instalações residenciais e de 26% para instalações comerciais no período 2010-2017.

Deve-se notar que os PMGDs são relevantes para a estratégia nacional de energia já que é um dos seus pilares de desenvolvimento em termos de energia renovável e independência energética do país. De fato, a agenda de energia desenvolvida pelo último governo, em agosto de 2014, visa alcançar uma penetração de 20% de energia renovável até 2020, em termos de capacidade de geração. Atualmente, esse número está próximo de 18%, então tudo indica que a meta auto imposta será alcançada antecipadamente. Os PMGDs, portanto, são fundamentais para atingir as metas de energia do Chile, além da população ter encontrado uma melhor percepção desse tipo de projetos “limpos” em detrimento de outras fontes tradicionais de geração de energia mais poluidoras.

Para ter uma rastreabilidade e coordenação adequadas para a conexão dessas PMGDs com as redes de distribuição, em 2006 foi estabelecido o regulamento que definiu o Padrão Técnico de Conexão e Operação de Meios de Pequena Geração Distribuída em Instalações de Média Tensão (conhecido como NTCO)   , que estabelece procedimentos, metodologias e requisitos técnicos para conexão à rede de média tensão dos concessionários de serviço público de energia elétrica.

No entanto, os projetos de PMGD mencionados acima, ligados às redes de média tensão, tiveram uma expansão moderada desde a promulgação da Lei até este ano. A situação atual no Chile é que há vários aspectos nos Regulamentos de Coordenação e Operação Técnica (doravante denominados NTCO) que não ajudam na decolagem definitiva desta tecnologia.

Art. 1, letra a) Decreto Lei Núm. 244. Santiago, 2 de setembro de 2005
National Renewable Energy Laboratory.2017, Reporte “U.S. Solar Photovoltaic System Cost Benchmark: Q1 2017”. https://www.nrel.gov/docs/fy17osti/68925.pdf
Art.13, Decreto Lei Núm. 244. Santiago, 2 de setembro de 2005

Entre os aspectos que foram detectados como dificuldades, estão os prazos de resposta, que tornam os projetos incapazes de realizar satisfatoriamente o seu processo de conexão. Com efeito, há uma priorização na ordem de chegada dos projetos solicitados, o que produziu uma espécie de “fila” de projetos que desejam se conectar aos alimentadores  e dá a oportunidade a falsos projetos para paralisar o fluxo do processo de projetos reais. Esse problema é maior quando há um grande número de PMGDs aprovados, já que o último a solicitar a conexão é aquele que assume a maior parte dos custos de adaptação necessários, mesmo sem ter certeza absoluta de que os outros PMGDs aprovados serão construídos, dando oportunidade a aparência de Free Rider Projects. Devido a isso, muitos projetos deixam de ser rentáveis e ao final não são construídos.

Além disso, em seu pior cenário, é possível que nenhum dos projetos aprovados sejam construídos, isto porque não há nenhum filtro para garantir que estes projetos não são do tipo “parasita” ou projetos apresentados só para garantir uma quota no alimentador e, em seguida, negociar com aqueles que vêm mais para trás. Em resumo, e do ponto de vista regulatório, há um sério problema de eficiência locativa nesse processo regulado que deve ser revisto.

Por outro lado, existem incentivos desalinhados entre a distribuidora de energia elétrica proprietário de média tensão (alimentadores) que deve receber a conexão entre esses projetos e o desenvolvedor de um PMGD, resultando em um problema de desincentivo ao investimento em redes a longo prazo. As distribuidoras de energia elétrica (no Chile são privadas) não estão dispostas a desenvolver planos de investimento em redes (chamados de planos de expansão de rede) que serão utilizados por terceiros, o que afeta a qualidade do serviço da rede de distribuição e, portanto, de seus clientes finais. Além disso, existem problemas técnicos, como a regulação da tensão e a variabilidade de injeção, o que faz com que os distribuidores verifiquem com relutância que os projetos do PMGD se conectam às suas redes.

Finalmente, existe uma concentração de projetos em determinadas áreas do país e, por isso, em certas empresas de distribuição, as que viram aumentar a busca de desenvolvedores que desejam informações específicas das redes, criando verdadeiras “unidades de mão de obra especializada” custo de empresas de distribuição elétrica e que não são reconhecidos na tarifa regulada.

Dito isto podemos dizer que o desenvolvimento massivo da geração de energia distribuída no Chile tem sido prejudicado por falhas na regulação deste tipo de meios elétricos, o que desalinha incentivos entre empresas que desenvolvem projetos PMGD e as empresas elétricas proprietárias de linhas distribuição.

Em outros países do mundo, a regulação da conexão deste tipo de tecnologias tem características diferentes. A tabela abaixo mostra as alternativas encontradas no regulamento comparado sobre meios de geração distribuída:

Um alimentador elétrico é uma linha de distribuição física disposta em bens públicos nacionais para suprir toda a corrente consumida por um grupo de cargas finais. Os alimentados geralmente carregam corrente elétrica em um nível de tensão que oscila entre 11 e 14 kV. Para uso comercial e industrial, a energia é normalmente fornecida no mesmo nível de tensão. Para fins domésticos, a energia é distribuída em baixa tensão (220 ou 380 V) usando transformadores de corrente dispostos nesses alimentadores.

Como pode ser visto, cada vez que o operador de rede assume os custos de reforço e extensões, os procedimentos de conexão não são tão extensos. Ao supor que ao realizar a distribuidora a adequação da rede se encarregando dos custos, o processo é acelerado por dois motivos:
– O distribuidor procurará todos os projetos tenham investidores reais e não apenas para garantir uma cota dentro de um alimentador, já que agora será a cargo deles os custos de adaptação.

– Os projetos diminuem devido a incapacidade de se conectar graças ao aumento do investimento inicial por ter que adequar a rede, algo que no Chile é reconhecido pelo proprietário do PMGD no formulário N ° 8, após 6 meses para iniciar o processo.