Como o Mercado Livre de Energia pode aumentar a competitividade da sua empresa

Número de clientes no Ambiente de Contratação Livre dobra em 24 meses

Com a recessão econômica nos anos de 2015 e 2016, grande parte da indústria brasileira teve muita dificuldade em manter resultados positivos, ou até mesmo permanecer aberta e em operação.

Esse período de tantas incertezas e desafios se configurou como um dos mais difíceis para indústria brasileira nos últimos 100 anos, inclusive mais desafiador do que os períodos entre 1930 a 1932, posterior ao Crash da Bolsa de New York em 1929; entre 1981 e 1983, posterior ao chamado “Milagre Econômico da Década de 70” e, até mesmo, do que os anos de 1990 e 1992, quando ocorreu o ciclo de hiperinflação.

Diante do cenário de recessão econômica em 2015 e 2016, a indústria começou a implementar planos visando a redução de custos. Nesse contexto, uma das principais oportunidades foi a possibilidade de negociar livremente o preço para comprar energia elétrica, por meio do Ambiente de Contratação Livre (ACL) ou mercado livre de energia, uma vez que o dispêndio com esse insumo chega, em algumas empresas, a representar o segundo maior custo de produção.

Ao analisar a viabilização de migração para o mercado livre de energia, as empresas perceberam mais benefícios do que simplesmente economizar. Podemos listar alguns desses benefícios:

  • Previsibilidade orçamentária para os próximos anos, uma vez que no Ambiente de Contratação Livre não há a cobrança das bandeiras tarifárias;
  • Preço de energia é reajustado somente pelos índices de inflação, como IGP-M e IPCA, e os reajustes tarifários realizados pelas respectivas distribuidoras terão impacto somente na parcela que representa 20% da conta de energia.
  • Possibilidade de escolher livremente o fornecedor de energia através de contratos bilateralmente negociados e, até mesmo, para empresas com mais apetite ao risco, construir estratégias aproveitando oportunidades conjunturais no mercado de curto prazo.

Sendo assim, nos últimos 24 meses, mais de 3.000 empresas optaram pela migração para o mercado livre de energia, ou seja, mais do que dobrou a quantidade de consumidores que estão acessando esse mercado.

No processo de análise e decisão para a migração, é de suma importância que o consumidor (empresa) tenha todas as informações necessárias como: preços praticados atualmente no mercado livre de energia, quais as fontes de energia disponíveis para contratação, projeções das tarifas da distribuidora para os próximos anos, projeção dos encargos setoriais e a vigência do contrato no Mercado Cativo.

Realizando as análises dos pontos apresentados acima, esclarecendo todas as dúvidas e dispondo de adequadas e suficientes informações, o consumidor, em conjunto com seu gestor de energia terá, no mercado livre de energia, resultados extremamente expressivos, que terão impacto positivo, diretamente, na gestão financeira da sua empresa.