As mudanças e inovações no setor elétrico

Em razão do grande potencial hidrológico, a matriz energética do Brasil sempre se posicionou entre as matrizes mais limpas do mundo. Todavia, o modelo de negócio sempre foi marcado pelo investimento intensivo e retorno de longo prazo para os players do mercado e, por outro lado, uma relação sem opções de escolhas pelo consumidor de energia.

O potencial disruptivo do setor elétrico é notável. O apelo ambiental da energia limpa e a evolução tecnológica, combinados, possibilitam que cada vez mais pessoas se interessem por gerar a própria energia ou mesmo adquiri-la a partir de fontes renováveis por um custo menor.

As inovações do setor e as mudanças na regulação irão proporcionar ofertas de soluções tecnológicas para cada tipo de consumidor, que permitam escolher a fonte, o preço e o fornecedor de energia para seu consumo, deixando de ser uma figura passiva.

Vamos observar, cada vez mais, um processo de empoderamento do consumidor. Esse fenômeno está muito relacionado ao desejo por um novo estilo de vida. Em um futuro próximo, as pessoas e empresas consumidoras de energia terão nas mãos um poder nunca antes imaginado.

A primeira onda desse movimento é a Geração Distribuída. Atualmente, o Brasil ultrapassa a marca de 28 mil conexões de geração distribuída, com crescimento exponencial. Na Europa, o boom já aconteceu, com destaque para a Alemanha, com dois milhões de equipamentos instalados. Esse fator muda a concepção da geração na medida em que atinge alta escala.

Os setores do mercado mais conectados ao ambiente de inovação, como tecnologia e telecomunicações, já estão atentos a esse movimento. Um exemplo disso foi a transação da Google pela compra da Nest, uma empresa de termostatos inteligentes que aprendem com a rotina dos moradores e oferecem a temperatura mais adequada sozinhos.

Outro exemplo desse dinamismo do mercado é o conceito de Enernet, cada vez mais propagado nos Estados Unidos, e que consiste numa rede integrada de energia limpa que abastece cidades inteligentes. É desse modelo que Elon Musk, CEO da Tesla, é entusiasta. A aposta da empresa não é somente no carro elétrico, mas também na geração de energia elétrica e armazenamento da mesma. No Brasil, construtoras já estão executando projetos nos quais os condomínios terão garagens para carros elétricos.

O Grupo Ecom Energia, através das suas unidades de negócios, está se estruturando para ter presença marcante nesse mercado disruptivo. Geração Distribuída, projetos de geração solar, soluções de gestão no mercado livre de energia, novos modelos de negócios, desenvolvimento de novas e avançadas aplicações tecnológicas são exemplos de como a Ecom Energia irá ofertar soluções inovadoras aos seus clientes e ao mercado. Além disso, a Ecom Energia conta com uma área de Novos Negócios, que se mantém conectada ao universo das startups para acelerar, investir e captar inovações que possam agregar valor nesse novo mercado.

Para saber mais, fale com a Ecom Energia.