Ajuste do MRE deve atingir 60,2% em julho, estima CCEE

Baixa hidrologia deve atingir em cheio a geração hidrelétrica neste mês

O déficit de geração hidrelétrica em julho deve ficar ainda mais crítico do que foi em junho. Segundo estimativas divulgadas pela Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE) nesta segunda-feira, 2 de julho, o ajuste do Mecanismo de Realocação de Energia (MRE) deve atingir 60,2% neste mês que se inicia, nível abaixo dos já críticos 71,3% de junho.

Em outras palavras, significa que a CCEE espera que as hidrelétricas entreguem apenas 60% do que foi programado para o período, representando um déficit de produção de 40%.

O déficit de geração hidrelétrica está no centro dos problemas enfrentados pelo setor elétrico. Disputas judiciais envolvendo a responsabilidade do pagamento desse déficit faz com que mais de R$ 6 bilhões deixem de ser liquidados no mercado de curto prazo.

Pelos cálculos da CCEE, o impacto do déficit hidrelétrico em 2018 está estimado em R$ 29 bilhões, sendo R$ 19 bilhões para o mercado regulado e R$ 10 bilhões para o mercado livre, calculado considerando uma sazonalização flet.
Desde 2015, o Governo busca uma solução para desjudicializar o mercado de energia elétrica, sem sucesso até o momento. Uma solução estava encaminhada pela Medida Provisória 814/17, que acabou caducando no início de junho por impossibilidade de votação pelo Congresso. O governo, porém, busca negociar com os agentes uma alternativa que possa ser acomodada com a regulação vigente.

Para julho, a previsão é que as chuvas que se convertem em energia devem atingir 76% da média histórica no subsistema Sudeste/Centro-Oeste; 71% no Sul, 38% no Nordeste e 77% no Norte.

QUEDA DE CARGA DE 1%

Durante apresentação do InfoPLD de julho, a CCEE informou também que a carga de energia do Sistema Interligado (SIN) realizou 1% (555 MW médios) abaixo do previsto pelo Programa Mensal da Operação de junho.

O nível armazenamento de energia nos reservatórios hidrelétricos caiu em todos os subsistemas, fechado junho assim:  SE/CO: 39,8% (-2,6%), Sul: 51,1% (+0,6%), NE: 37,6% (-2,1%) e N: 70,4% (-0,3%)

“Essa queda não foi mais acentuada como se esperava para o início do período seco por conta da carga que foi mais baixa”, sublinhou Camila Giglio, gerente de Preços da CCEE.

A projeção do PLD médio anual do Sudeste foi atualizada para R$ 285,92/MWh, superior a projeção de R$ 281/MWh apresentada no InfoPLD de junho. “Mas já a partir do mês que vem espera-se uma redução desse preço”, disse Giglio.

A previsão de encargos de serviço do sistema é de R$ 33 milhões para os meses de junho e julho, resultado de restrições operativas.

(Nota da Redação: matéria modificada às 10:49 horas da terça-feira, 3 de julho de 2018, para corrigir a previsão de afluências para julho alterada pela CCEE)

Fonte: CanalEnergia