A ECOM e a ENERGIA no Brasil

A ECOM acredita no gás natural no Brasil como um negócio viável e de interesse da sociedade, mas ainda de uso restrito devido à concentração da sua comercialização.

Desde 2013, a ECOM vem trabalhando para a abertura desse mercado, procurando interagir com órgãos oficiais e associações do setor, para a modernização de uma legislação que incentive a competição, dando liberdade ao consumidor para escolher qual será o supridor do seu gás natural.

Em 2016, o Ministério de Minas e Energia (MME) deu um empurrão importante ao lançar o programa “Gás Para Crescer” e provocar a discussão do tema entre os diversos agentes do mercado de gás natural, consolidando a maioria das conclusões no texto do Projeto de Lei 6.407, em análise na Comissão de Minas e Energia da Câmara dos Deputados.

Esse Projeto de Lei, que também tem o apoio da Petrobras, cria uma expectativa positiva quanto à possibilidade de liberalização, de fato, da comercialização de gás natural e da adoção de um sistema de contratação de capacidade de transporte que propicie uma maior flexibilidade e liquidez para o mercado.
Com o caminho regulatório alinhavado, na prática, ainda existem muitas interrogações de como esse mercado se comportará. Não há conhecimento se a predisposição da Petrobras de não renovar o contrato de aquisição de gás da Bolívia, que se encerra em 2021, abre espaço para novos ofertantes ou se esse volume será substituído por gás natural vindo do Pré- Sal.

Quando o investimento daquela petroleira esta centrado na exploração e na produção de petróleo, a decisão de investir na construção da unidade de processamento de gás do improvável Comperj, sinaliza que virá muito gás das plataformas e que este será colocado no mercado.

Por outro lado, ainda não se sabe qual o potencial das reservas, plano exploratório e o preço do gás boliviano que possibilite aos interessados iniciar alguma negociação de compra ou de venda.

Mesmo com as dúvidas permeando o mercado, a ECOM continua firme em seu propósito de atender os consumidores, procurando alternativas seja através da importação de gás natural, GNL (gás natural liquefeito) ou da comercialização com novos e antigos produtores.

A ECOM é mais que uma companhia focada na gestão e comercialização de energia elétrica no mercado livre. É uma companhia com ações para participar dos mercados de geração distribuída, energia solar e em outros negócios que envolvam a energia no seu sentido mais amplo.

A continuidade do Brasil, no seu caminho de crescimento e estabilidade de suas instituições, permitirá à ECOM trazer, em 2019, boas novidades ao mercado. Estamos ansiosos.